Afinal, o que é exame de risco cirúrgico

Tempo de leitura: 6 minutos

As cirurgias e intervenções médicas costumam variar em graus de complexidade. Há cirurgias que são simples, como circuncisões, retirada de catarata e correção de desvio de septo, mas também há casos em que o procedimento cirúrgico demanda mais atenção, como retirada da vesícula biliar, colocação de próteses e cirurgias cardíacas. Muitas vezes quando o paciente irá realizar um procedimento simples ele costuma estranhar quando se depara com um pedido do exame pré-operatório, mais conhecido como o risco cirúrgico. Contudo, apesar do susto, esse pedido é um procedimento padrão extremamente importante e que deve ser seguido!

O exame de risco cirúrgico é na verdade um conjunto de avaliações médicas e laboratoriais que um paciente deve fazer antes de realizar uma cirurgia. O exame pré-operatório é responsável por trazer até a equipe médica uma avaliação geral da saúde do paciente para que as condutas durante a operação e no pós-operatório possam estar ajustadas à sua condição de saúde. O chamado risco cirúrgico é nada mais que um cálculo feito pelo médico que avalia os perigos e cuidados que devem ser tomados com o paciente devida às suas condições de saúde pré-existentes, como por exemplo diabetes, hipertensão, problemas cardíacos, problemas de coagulação ou doenças respiratórias que podem acarretar em complicações durante e depois do procedimento cirúrgico.

A importância do exame de risco cirúrgico

O exame pré-operatório é um protocolo médico super importante para evitar a ocorrência de morte, sequelas e complicações em cirurgias. Calcular os possíveis perigos que o paciente pode enfrentar é essencial principalmente quando se trata de pacientes em grupos de risco, como cardiópatas, diabéticos, obesos, hemofílicos, imunodeprimidos e idosos. O risco cirúrgico é usado como um fator de liberação para que o paciente possa passar pela cirurgia, ele é necessário quando o procedimento é delicado ou quando a avaliação clínica no consultório demonstra sintomas ou um histórico de doenças de risco. É fato que nem toda cirurgia irá precisar de um exame pré-operatório completo, isso varia em cada procedimento e a cada paciente. O risco cirúrgico é um procedimento de prevenção e demonstra ao médico se o paciente precisa cuidar primeiramente de um problema para depois ser operado e também indica os cuidados que a equipe cirúrgica deve tomar.

Exames do risco cirúrgico

A avaliação de risco pré-operatório envolve uma bateria de exames que pode variar de tamanho a depender do procedimento e do histórico de saúde do paciente candidato à cirurgia. No geral, a equipe médica tem como uma das principais preocupações avaliar as condições do sistema cardiovascular do paciente, pois ele é sobrecarregado nas maioria das cirurgias e merece atenção. O paciente precisa ter a condição de saúde do seu coração, veias, vasos, artérias e pulmões avaliados por um cardiologista para que o médico tenha segurança de operar. Na consulta com o cardiologista os principais exames que serão realizados ou solicitados é o eletrocardiograma, que mede o ritmo geral do batimento do coração, e a radiografia de tórax, para verificar a saúde do pulmão. Em alguns casos é necessário fazer uma espirometria, exame que avalia a qualidade da respiração.

Além da avaliação cardiorrespiratória, exames complementares podem ser solicitados para que o cálculo e liberação do risco cirúrgico sejam realizados. O hemograma examina as principais alterações e qualidades do sangue do paciente. Através do hemograma o médico consegue saber sobre as condições de imunidade, cicatrização, coagulação, condição dos rins e pâncreas do paciente. Com o cálculo de glóbulos vermelhos, o médico consegue avaliar se o paciente está ou não anêmico, além de ter uma análise prévia da qualidade das trocas gasosas ocorridas no sangue. Ao olhar os leucócitos, os glóbulos brancos, o médico consegue detectar se o paciente está com alguma infecção ou se seu sistema de defesa se encontra fragilizado, o que pode levar à riscos de infecção hospitalar. O exame de sangue também irá avaliar as condições de coagulação, que é a capacidade do sangue se aglutinar para interromper hemorragias e iniciar os processos de cicatrização. Já a análise da ureia e creatina informarão ao médico sobre a qualidade de limpeza e hidratação dos fluidos corporais realizada pelos rins do paciente, que precisam estar em plenas condições para que ele possa passar pela cirurgia. A glicemia irá avaliar as condições do metabolismo do pâncreas, importante principalmente para os pacientes diabéticos.

Cada cirurgia também pode demandar exames específicos para a sua realização. Os exames de imagem podem ser solicitados para avaliar as condições dos órgãos internos e ossos, como as tomografias computadorizadas, ressonâncias magnéticas e ultra sons. Nas cirurgias gastrointestinais os exames de visualização das mucosas também podem ser solicitados, como a colonoscopia e a endoscopia, que utilizam da introdução de cânulas com câmeras de observação para investigação. Em casos de pacientes com diagnósticos de doenças crônicas prévias, o médico pode solicitar exames complementares para avaliar o estado e controle da patologia.

Prevenir é sempre melhor que remedia

Em suma, seguir as recomendações do exame pré-operatório é fundamental para que médico e paciente possam entrar na sala de cirurgia com mais segurança. As avaliações feitas no exame de risco cirúrgico irão deixar toda a equipe presente no bloco cirúrgico preparada para intervir em casos de imprevistos, mas também servirá de mapa para que a equipe de enfermagem possa realizar as observações e cuidados do pós-operatório com mais qualidade. Calcular o risco cirúrgico não deve ser um motivo de medo e apreensão do paciente, pelo contrário, ao fazer os exames do pré-operatório o paciente deve ter em mente que está se protegendo e ajudando seu médico a realizar o procedimento com mais perfeição. Quando estiver com dúvidas sobre os procedimentos pré e pós cirúrgicos sempre pergunte ao seu médico, pois a comunicação é fundamental para que tudo ocorra bem.

Meu nome é Dr. Fernando Amarale eu sou referência em cirurgias plásticas em Belo Horizonte e região. Conheça meu site!

Se gostou desse conteúdo continue no nosso site eblog e nos siga nas redes sociais! Estamos noInstagram, Facebooke YouTube!

Até a próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.