A importância da consulta pré-anestésica

Tempo de leitura: 3 minutos

A consulta pré-anestésica é essencial para qualquer paciente que venha a se submeter um a um procedimento que requeira o uso de anestesia, seja ele qual for. Ela deve ser feita com um especialista na área, o anestesiologista. 

O principal objetivo da consulta pré-anestésica é de reduzir a morbimortalidade no paciente cirúrgico. Isso é feito através da detecção de fatores de risco e da prevenção de incidentes para que a cirurgia seja segura e dentro dos parâmetros ideais –  não apenas para intervenções tradicionais, mas também para cirurgias plásticas.

Entenda mais sobre o assunto a seguir!

consulta pré-anestésica

A consulta pré-anestésica antes da cirurgia plástica

A consulta pré-anestésica é recomendada pelo Conselho Federal de Medicina desde 2006, devido ao seu impacto positivo na realização de procedimentos cirúrgicos por aumentar a segurança de todos os envolvidos.

Ela favorece a redução de intercorrências intra e pós-operatórias e é realizada em algumas etapas.

Etapas da consulta pré-anestésica

A consulta pré-anestésica compreende algumas etapas de investigação e exames simples para que o médico possa chegar a uma conclusão segura a respeito dos resultados da indução anestésica no paciente. 

São elas:

  • Anamnese: momento em que o anestesista fará perguntas variadas;
  • Exames físicos: a depender da solicitação médica;
  • Análise de exames complementares.

Com esses dados em mãos, chega-se em um risco anestésico, que determina se o paciente em questão está apto, ou não, a receber a anestesia.

Importante sobre a avaliação do paciente

Ao se avaliar um paciente antes da cirurgia, a probabilidade de reações adversas locais ou sistêmicas, leves ou intensas, é considerada para aquele caso particular. 

Dessa forma, toda a equipe cirúrgica passa a ficar ciente das particularidades e soma esforços para minimizar quaisquer efeitos desagradáveis que possam vir a surgir.

O ideal é que a consulta pré-anestésica seja realizada no mesmo estabelecimento em que a cirurgia ocorrerá e, se possível, com o mesmo anestesiologista a realizar o ato anestésico.

Além disso, a avaliação deve ocorrer preferencialmente num período próximo à data do procedimento; para que se tenha tempo hábil para ajustes ou intervenções sem comprometer o agendamento cirúrgico. 

O intervalo ideal de uma e duas semanas antes do ato cirúrgico é o adotado na maioria dos países atualmente.

Casos especiais

Pacientes portadores de alguma condição que possa interferir no ato anestésico devem informar ao anestesista e a equipe. Assim,  medidas podem ser tomadas para minimizar ou neutralizar os riscos e evitar possíveis interações medicamentosas. 

Conheça as condições que podem levar a resultados inesperados, desagradáveis e até irreversíveis durante ou após uma anestesia: 

  • Hipertensão;
  • Diabetes;
  • Históricos de trombose;
  • Embolia pulmonar e doenças respiratórias;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Pacientes em uso contínuo de medicamentos.

A adoção de medidas como o checklist de cirurgia segura e a realização de consulta pré-anestésica aumentam as chances de sucesso de uma intervenção estética, ou não, e diminui drasticamente a probabilidade de um evento adverso. 

A consulta pré-anestésica é o primeiro passo em direção a métodos mais seguros e eficazes na prevenção de eventos adversos no pré, peri e pós-operatório. Se você vai realizar um procedimento cirúrgico estético, fique atento aos cuidados pré-operatórios. O blog Dr. Fernando Amaral traz informação atualizada para o seu público. Acompanhe as atualizações nas redes sociais – Facebook e Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *